O Produto Interno Bruto (PIB) variou 0,1% no 3º trimestre de 2017 se comparado ao 2º trimestre de 2017, na série com ajuste sazonal. Em relação ao mesmo período de 2016, o crescimento foi de 1,4%. Em valores correntes, o PIB alcançou R$ 1,641 trilhão, no 3º trimestre de 2017, sendo R$ 1,416 trilhões referentes ao Valor Adicionado e R$ 225,8 bilhões aos Impostos sobre Produtos Líquidos de Subsídios. A Agropecuária registrou queda de 3,0%, enquanto a Indústria e os Serviços tiveram crescimento de 0,8% e 0,6% respectivamente. Dentre as atividades industriais, houve crescimento de 1,4% nas Indústrias de transformação e variação positiva de 0,2% nas Indústrias extrativas, ao passo que as demais atividades mantiveram-se praticamente estáveis. Nos Serviços se destacaram os

O IPC-S de 30 de novembro registrou variação de 0,36%, 0,04% acima da taxa registrada na última semana, Dessa forma, o indicador apresenta alta de 3,01% no ano e 3,35% nos últimos meses. A maior contribuição para a variação veio do grupo de despesas de Educação, Leitura e Recreação; com destaque para as passagens aéreas, cuja taxa foi de -4,93% para 3,88%. As demais classes de despesas apresentaram um tímido acréscimo em sua taxa de variação, enquanto apenas Habitação e Alimentação apresentaram decréscimo em suas taxas de variação: de 0,80% para 0,77% e de -0,19% para -0,26% respectivamente.

A PNAD contínua mensal registrou uma taxa de desocupação de 12,2% no trimestre móvel até outubro; o resultado ficou 0,6% abaixo da taxa de desocupação do trimestre anterior (maio-julho) e ilustra a lenta recuperação do desempenho da economia. Com relação ao mesmo trimestre do ano passado, a taxa de desocupação aumentou em 0,4%. A população desocupada teve uma queda de 4,4% se comparada ao trimestre anterior, ao passo que a população ocupada aumentou em 1,0%. O número de empregados com carteira assinada ficou estável frente ao trimestre anterior, enquanto o número de empregados por conta própria aumentou em 326.000 pessoas, e cresceu 1,4% em relação ao último trimestre. O rendimento médio real habitual, de R$ 2.127, ficou estável nas duas comparações, enquanto a

O setor público registrou um superávit primário de R$ 4,8 bilhões em outubro, de acordo com informações divulgadas na Nota de Política Fiscal do Banco Central. No ano, o setor público já acumula um déficit de R$ 77,4 bilhões, superando em termos absolutos o déficit registrado no mesmo período do ano anterior (de R$ 45,9 bilhões). No acumulado em 12 meses, o déficit primário chega a R$ 187,2 bilhões, o equivalente a 2,9% do PIB. A meta estabelecida para este ano é de um déficit primário de R$ 159 bilhões. Por conta dos resultados primário e nominal negativos e um crescimento ainda baixo da economia, a dívida bruta do Governo Geral em relação ao PIB mantém a trajetória ascendente e atinge 74,4%.

O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) variou em 0,52% no mês de novembro, de modo que a variação acumulada para o ano de 2017 é de -1,4% até o mês. Em doze meses, o índice variou em -0,86%. O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) variou em 0,66% em novembro, influenciado pela variação nos preços de combustíveis, a qual incidiu nos índices de Bens Finais, Intermediários e de Matérias-Primas Brutas. O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) variou 0,28% no mês; o principal responsável foi o comportamento da tarifa elétrica residencial, cuja taxa variou de 0,92% para 3,93%. Agindo em sentido descendente no IPC, o grupo de alimentação registrou variação de -0,19%.

O Governo Central registrou um superávit primário de R$ 5,2 bilhões em outubro, e no acumulado até o mês o déficit primário é de R$ 103,2 bi enquanto para o ano anterior o déficit para o período fora de R$ 60,4 bi. O resultado primário acumulado em 12 meses alcançou déficit de R$ 207,3 bi, o que equivale a 3,14% do PIB. Contudo, a piora no resultado acumulado até outubro se comparada ao resultado do ano passado deve ser revertida nos meses de novembro e dezembro por ocasião das receitas de concessões e permissões, que estão previstas em R$26,1 bi. No acumulado de 2017, o Regime Geral da Previdência Social (RGPS) registrou déficit de R$ 156,6 bi, ao passo que o Tesouro Nacional e o Banco Central registraram superávit de R$ 52,5 bilhões.

O índice de Confiança do Consumidor (ICC) subiu 3,1 pontos em novembro e chegou a 86,8 pontos, maior nível desde outubro de 2014 quando se encontrava em 91,1. O otimismo do consumidor brasileiro se deve sobretudo à queda dos juros e da inflação, assim como às perspectivas positivas para o emprego. Neste cenário se destaca o otimismo dos consumidores de maior poder aquisitivo, os quais se encontram com o orçamento doméstico mais equilibrado. O Índice de Situação Atual subiu pelo quarto mês consecutivo chegando a 74,5 pontos e é o maior desde junho de 2015 quando se encontrava em 74,9; O índice de Expectativas, por sua vez, subiu para 96,0 pontos e é o mais alto desde abril de 2014 quando se encontrava em 99,9.

O relatório FOCUS dessa semana evidenciou relativa estabilidade das expectativas do mercado em relação aos indicadores tanto para 2017 como para 2018. A expectativa para o IPCA caiu de 3,09% para 3,06% em 2017 e registrou a segunda queda em duas semanas de 4,03% para 4,02% em 2018. Para o IGP-M, as expectativas se mantiveram pela segunda semana seguida em -1,12% para 2017, ao passo que para o ano seguinte foram de 4,39% para 4,38%.

Por problemas no controle central da linha telefônica, estamos temporariamente sem nosso telefone fixo. Pedimos desculpas pelo inconveniente e caso necessitem entrar em contato com a equipe da MB Associados, utilizem nosso telefone móvel (11) 94330-6830. Agradecemos a compreensão. 

O saldo total das operações de crédito do sistema financeiro atingiu R$3.052 bilhões em outubro, variando positivamente 0,1% no mês e negativamente 1,4% em doze meses. Dentre estas se destacam as operações com pessoas físicas, que cresceram 0,7% no mês e 5,6% em doze meses alcançando os R$ 1.627 bilhões. As operações com pessoas jurídicas registraram reduções de 0,5% e de 8,3%, nos mesmos períodos, e o saldo foi de R$1.425 bilhões. A relação Crédito/PIB, por sua vez foi para 46,9%, dando continuidade à redução da proporção dessa proporção, que era de 47% no mês passado e 49,9% em outubro de 2016. Enquanto o crédito às famílias aumentou 1,1%, para R$837 bilhões, a carteira das pessoas jurídicas registrou declínio de 0,3%, totalizando R$700 bilhões. Na seg