O relatório FOCUS dessa semana evidenciou relativa estabilidade das expectativas do mercado em relação aos indicadores tanto para 2017 como para 2018. A expectativa para o IPCA caiu de 3,09% para 3,06% em 2017 e registrou a segunda queda em duas semanas de 4,03% para 4,02% em 2018. Para o IGP-M, as expectativas se mantiveram pela segunda semana seguida em -1,12% para 2017, ao passo que para o ano seguinte foram de 4,39% para 4,38%.

Por problemas no controle central da linha telefônica, estamos temporariamente sem nosso telefone fixo. Pedimos desculpas pelo inconveniente e caso necessitem entrar em contato com a equipe da MB Associados, utilizem nosso telefone móvel (11) 94330-6830. Agradecemos a compreensão. 

O saldo total das operações de crédito do sistema financeiro atingiu R$3.052 bilhões em outubro, variando positivamente 0,1% no mês e negativamente 1,4% em doze meses. Dentre estas se destacam as operações com pessoas físicas, que cresceram 0,7% no mês e 5,6% em doze meses alcançando os R$ 1.627 bilhões. As operações com pessoas jurídicas registraram reduções de 0,5% e de 8,3%, nos mesmos períodos, e o saldo foi de R$1.425 bilhões. A relação Crédito/PIB, por sua vez foi para 46,9%, dando continuidade à redução da proporção dessa proporção, que era de 47% no mês passado e 49,9% em outubro de 2016. Enquanto o crédito às famílias aumentou 1,1%, para R$837 bilhões, a carteira das pessoas jurídicas registrou declínio de 0,3%, totalizando R$700 bilhões. Na seg

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA-15) foi de 0,32%, ficando 0,02 ponto percentual abaixo do resultado de outubro. O acumulado no ano está em 2,58%, o menor para um mês de novembro desde 1998. A energia elétrica foi o item individual com maior impacto, de modo que as contas de luz foram responsáveis por metade do IPCA-15 do mês. Os preços dos alimentos para consumo em domicílio caíram em média 0,45% com destaque para o feijão carioca que registrou uma queda de 7,03% no seu preço; a alimentação fora de casa, por sua vez, subiu em média 0,1%. O preço dos eletrodomésticos apresentou uma queda de 1,19%, ao passo que as taxas de água e esgoto e os gastos com transporte subiram em 0,3% e 0,27% respectivamente, refletindo os reajustes que sofreram.

O Brasil registrou um deficit em transações correntes de US$ 343 milhões no mês de outubro, de modo que o resultado acumulado em doze meses é um deficit de US$ 9,6 bilhões, o que equivale a 0,48% do PIB. Na conta financeira, o ingresso líquido de investimentos diretos no país foi de US$ 8,2 bilhões no mês, fazendo com que o resultado acumulado nos últimos doze meses chegasse a US$ 83,3 bilhões, o que representa 4,14% do PIB. A posição da dívida externa bruta estimada para outubro de 2017 totalizou US$320,7 bilhões, elevação de US$5,8 bilhões em relação ao estoque de junho de 2017, enquanto a dívida externada estimada de longo prazo aumentou em US$ 1,7 bilhão, alcançando o patamar de US$ 260,6 bilhões; tal variação se deve aos desembolsos líquidos de títulos do

O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) registrou a abertura de 76.599 postos de trabalhos formais em outubro de 2017. O resultado se deve à lenta recuperação da economia, com destaque para os setores de comércio e indústria, que geraram respectivamente 37.321 e 31.939 empregos no mês. Os setores de serviços e agricultura, por sua vez, apresentaram o fechamento de 4.764 e 3.551 postos de trabalho em outubro; enquanto o setor de serviços contribui para a geração de emprego com novos 15.654 postos de trabalho.

A segunda prévia do IGP-M registrou variação de 0,37% em novembro, vindo de uma variação de 0,3% no período anterior. Em relação ao Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), a variação foi de 0,43%. A categoria Bens Finais sofreu uma variação de 0,51%, tal movimento teve origem no subgrupo combustível para o consumo, que apresentou uma taxa de 7,68%, sendo que no período anterior apresentou crescimento de 1,8%.

O Relatório Focus de mercado, divulgado na segunda-feira (20), mostrou estabilidade da mediana das projeções para a inflação e para o crescimento do PIB em 2017 (respectivamente em 3,09% e 0,73%). Para 2018, houve revisão das expectativas para ambas as variáveis. No caso da inflação oficial, medida pela variação do IPCA, o número caiu de 4,04% para 4,03%, enquanto que, no caso do PIB, a variação foi revista marginalmente de 2,50% para 2,51%. Para 2017, as expectativas de câmbio para fim de período sofreram revisão razoável para cima, de R$/US$ 3,20 para R$/US$ 3,25. Para 2018, as projeções foram mantidas em R$/US$ 3,30. A Selic fim de período foi mantida para ambos os anos em 7,00% ao ano.

O volume de serviços comercializados em setembro recuou 0,3% na margem e 3,2% na comparação com o mesmo período do ano anterior. No acumulado em 12 meses, o setor apresentou leve melhora, partindo de uma queda de 4,5% para uma de 4,3% entre agosto e setembro.

O IGP-10 de novembro, divulgado nesta quinta-feira (16) pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), variou 0,24%, desacelerando em relação aos dados de outubro. A desaceleração foi largamente influenciada por comportamento semelhante do Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que registrou queda da inflação de 0,61% para 0,21%. Pela ótica dos estágios de processamento, o grupo matérias-primas brutas foi o responsável pelo comportamento melhor do IPA no mês, variando -1,44% em novembro (contra variação de 0,17% em outubro). O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), por sua vez, variou 0,32% em novembro – taxa essa superior à registrada em outubro, de 0,18%. O subíndice foi puxado principalmente pela alta de 3,69% das tarifas de energia elétrica. Por último, o Índice Nacio