O IPCA de novembro ficou em 0,28%, 0,14 p.p. abaixo do resultado do mês anterior, que foi de 0,42%. Dessa forma, o acumulado no ano chegou a 2,50%; o resultado é o menor para o mês de novembro desde 1998, quando foi de 1,32%. O acumulado dos últimos 12 meses, de 2,80% superou os 2,70% dos 12 meses imediatamente anteriores. Pelo sétimo mês consecutivo, os alimentos, que representam cerca de 25% das despesas das famílias, caíram de preço em 0,38%. A Habitação, por sua vez, teve variação de 1,27% e impacto de 0,20 p.p. e foi o grupo de maior impacto, uma vez que a energia elétrica (0,15 p.p.) subiu, em média, 4,21% em decorrência do vigor da bandeira tarifária vermelha patamar 2, já com a cobrança adicional do novo valor de R$ 5,00 a cada 100 Kwh consumidos. A alta de 1,32% na taxa de água e esgoto deve-se ao reajuste de 7,89% nas tarifas em São Paulo, aplicado desde 10 de novembro. Entre os Transportes, que variaram em 0,52%, se destacaram a gasolina e o etanol, mais caros, em média, 2,92% e 4,14%, respectivamente.