O Copom decidiu, por unanimidade, reduzir a taxa Selic em 0,5 ponto percentual, para 7,00% a.a., sem viés. A atualização do cenário básico do Copom pode ser descrita pelas evidências dos últimos indicadores da economia brasileira indicando sinais compatíveis com a recuperação gradual do desempenho econômico. O cenário externo tem se mostrado favorável uma vez que a atividade econômica global vem se recuperando sem pressionar em demasia as condições financeiras nas economias avançadas, de modo a contribuir para manter o apetite ao risco em relação a economias emergentes. O comportamento da inflação permanece favorável, com diversas medidas de inflação em níveis confortáveis ou baixos, inclusive os componentes mais sensíveis ao ciclo econômico e à política monetária. O comportamento da inflação permanece favorável, com diversas medidas de inflação subjacente em níveis confortáveis ou baixos, inclusive os componentes mais sensíveis ao ciclo econômico e à política monetária. O Copom entende que a conjuntura econômica prescreve política monetária estimulativa, ou seja, com taxas de juros abaixo da taxa estrutural. O Comitê ainda enfatizou o processo de reformas e ajustes na economia para a queda de sua taxa de juros estrutural.