Até o momento, os mercados globais não apresentam direções únicas, seguindo a mesma tendência das bolsas asiáticas. Na China, o Índice Shanghai recuou 0,85%, influenciado pela percepção de que os dados mais fracos de inflação têm relação com a desaceleração econômica do país. Por outro lado, o Índice Nikkei, no Japão, avançou 1,25%. Na Europa, as bolsas operam majoritariamente em alta, após a aprovação orçamento italiano, que já foi enviado à União Europeia. Contudo, as tensões entre Arábia Saudita e EUA aumentam as incertezas e limitam os ganhos. Há pouco o IBGE divulgou a Pesquisa Mensal de Serviços, segundo a qual o setor avançou 1,2% em agosto frente a julho e 1,6% na comparação interanual – no ano, o setor de serviços apresenta recuo de 0,5% e,

Com cautela após as perdas globais na semana passada, os mercados na Ásia fecharam em queda nesta segunda-feira, com destaque para a queda de 1,49% do Índice Shanghai, na China, a 2568,1 pontos, o menor valor desde novembro de 2014. Com as tensões comerciais entre EUA e China ainda no radar, o presidente do Banco Central da China, Yi Gang, disse que o Banco Popular da China ainda tem " muitos instrumentos monetários " e "espaço para ajustes" em relação ao impacto de uma guerra comercial. Na Europa, como Reino Unido e a União Europeia não chegaram a um acordo nas conversas do fim de semana, os investidores se mostram frustrados, o que reflete na baixa dos mercados europeus. Nos Estados Unidos, investidores observam atentamente a tensão entre Arábia Saudita e o Ocidente, com o de

Com a sinalização do FED de que continuará a aumentar os juros, ontem as bolsas americanas tiveram um dia de forte queda. Contribui para isso, também, o alerta do FMI, de que as tensões comerciais entre as EUA e a China podem levar a uma "súbita deterioração do sentimento de risco, desencadeando uma ampla correção nos mercados de capitais globais e um aperto acentuado das condições financeiras globais". No fechamento desta quinta-feira, as bolsas asiáticas seguiram a mesma tendência – o Índice Shanghai recuou 5,22%, o que foi a pior queda desde janeiro de 2016. Na Europa, as incertezas sobre a questão orçamentária da Itália, junto da volta aos holofotes para o Brexit, seguem pressionando os mercados locais. O negociador-chefe da União Europeia, Michel Barnier, adotou

Até o momento, a maioria das bolsas mundiais operam em queda. As bolsas asiáticas, por outro lado, fecharam nesta quarta-feira no campo positivo. No Japão, o Índice Nikkei teve ligeira alta de 0,08%, após dados mostrarem que o núcleo das encomendas de máquinas no Japão subiu acima das expectativas em agosto. Na Europa, os investidores mantêm no radar as preocupações com o orçamento italiano. Nos Estados Unidos, John Williams, presidente regional do FED, fez discurso ontem que trouxe a percepção de que o Banco Central norte-americano eleve os juros básicos mais do que o previsto. Há pouco, a FGV divulgou a primeira prévia do IGP-M, que aumentou 1,06% em outubro, após ter aumentado 0,79% na primeira prévia de setembro. Com isso, o índice acumula alta de 9,44% no ano e av

Os mercados asiáticos fecharam em posições mistas nesta segunda-feira. Após o feriado de ontem, no Japão o Índice Nikkei teve queda de 1,34%. O Índice Shanghai, por outro lado, teve ligeira alta de 0,17%. Por sua vez, as bolsas europeias operam em baixa, já que os rendimentos dos títulos americanos e italianos voltaram a subir. Além disso, os mercados acompanham de perto as tensões entre Roma e Bruxelas. Há pouco o IBGE divulgou a Pesquisa Industrial Mensal Regional. De acordo com o instituto, a Produção Industrial recuou em 6 dos 15 locais pesquisados na passagem de julho para agosto. O estado de São Paulo registrou recuo de 0,9%. Outras quedas ocorreram no Amazonas (-5,3%), Pará (-1,1%), Espírito Santo (-0,9%), Santa Catarina (-0,7%) e Rio de Janeiro (-0,36%). Por outro

Os economistas americanos William D.Nordhaus, da Universidade de Yale, e Paul Romer, ex-economista chefe do Banco Mundial foram homenageados com o prêmio Nobel da Economia de 2018. Nordhaus, de 77 anos está sendo reconhecido pelo trabalho com modelos macroeconômicos que incorporam as condições climáticas e o desenvolvimento sustentável; para além disso, o economista é pioneiro na literatura de ciclos políticos. Romer, de 62 anos está sendo homenageado pelas suas contribuições em modelos de crescimento. que incorporam inovações tecnológicas. A premiação é a primeira para economistas da área de macroeconomia desde 2011, quando Thomas Sargent e Christopher Sims foram os vencedores. Nesse entretempo o prêmio ficou reservado para pesquisadores de microeconomia; premiando

Nesta segunda-feira de feriado nos Estados Unidos (Dia de Cristóvão Colombo), os mercados acionários, em sua maioria, apresentam tendência de queda. Na Ásia, o Índice Shanghai fechou em queda de 3,7%, após uma semana inteira sem operações. As bolsas no Japão não operaram devido ao feriado do Dia dos Esportes. Com as fortes quedas na Ásia e o menor volume de negociações em dólar, as bolsas na Europa também operam em baixa. Além disso, os investidores também estão avaliando a perspectiva de rebaixamentos de curto prazo para o rating de crédito da Itália. Há pouco, o Banco Central divulgou o Boletim Focus, cujas expectativas do mercado foram as seguintes: IPCA (2018: de 4,30% para 4,40%; 2019: mantida em 4,20%); PIB (2018: De 1,35% para 1,34%; 2019: mantida em 2,50%); C

Até o momento, os mercado de ações mundiais apresentam tendência de queda. Ontem, o governo italiano divulgou suas projeções de crescimento, que consideram as já estipuladas metas orçamentárias. Tais projeções podem gerar dúvidas à União Europeia sobre a viabilidade do plano, uma vez que prevê aumento de gastos sociais e redução de impostos. Na Ásia, os mercado que têm operado fecharam a semana em queda, com destaque para o recuo de 0,58% do Índice Nikkei. Há pouco o IBGE divulgou o IPCA que, em setembro, variou 0,48% em relação ao mês anterior. À exceção dos grupos Vestuário (-0,02%) e Comunicação (-0,07%), os demais apresentaram variação positiva nos níveis de preços nessa mesma base de comparação. Em 12 meses, o índice acumula alta de 4,53%, ao pass

Com as declarações otimistas feitas ontem por Jerome Powell, presidente do FED, os mercados operam no campo negativo nesta manhã, uma vez que ficou ainda mais reforçada a expectativa de aumento de juros nos Estados Unidos. Nesse sentido, na Ásia os pregões que tiveram funcionamento fecharam em queda, com destaque para o recuo de 0,61% do Índice Nikkei. Na Europa, ainda com as questões relacionadas ao orçamento da Itália, os mercados operam majoritariamente em queda. Na agenda nacional, a Anfavea divulgará, às 11h20, a Produção e Venda de Veículos no mês de setembro. Sem horário definido, a Serasa Experian divulgará seu Indicador de Atividade do Comércio do mês de setembro. Lá fora, destaque para o anúncio da taxa de juros no México – o mercado espera manutenção

    

COMPARTILHE

face link